A Veredas n. 31, organizada por Marcel Vejmelka (Universidade Johannes Gutenberg de Mainz), reúne 10 artigos que apresentam um panorama das dinâmicas das HQ brasileiras atuais.

Já é um lugar comum constatar que a “nona arte” da narrativa gráfica, da história em quadrinhos ou da banda desenhada vem ganhando cada vez mais em visibilidade e prestígio, vivendo sucesso comercial nas mais variadas áreas e camadas sociais, exercendo uma crescente influência e significância cultural — nos termos de subcultura e cultura popular e também de cultura erudita —, entrando em cânones literários, icônicos e cinematográficos, inclusive estabelecendo e revisando cânones próprios, diferenciando-se internamente em subgêneros e projetos transversais.

Os textos escolhidos para este dossiê apresentam um panorama, inevitavelmente incompleto e seletivo, mas amplo e representativo das dinâmicas das HQ brasileiras atuais na sua profundidade e especificidade históricas, enfocando aspectos da sua produção e circulação, da sua recepção nacional e internacional, e da sua transposição ou adaptação entre diferentes mídias, suportes e contextos culturais. É a partir da análise concreta dessas bases materiais das obras e dos discursos ligados a elas que fica visível a riqueza e força da produção de HQs no Brasil, que vem se consolidando no campo nacional e vai ganhando cada vez mais visibilidade, importância e respeito no palco internacional.

(Marcel Vejmelka, da Apresentação)

DOI: https://doi.org/10.24261/2183-816x31

Caras e caros congressistas da AIL, caras sócias e caros sócios, caras e caros colegas,

comunicamos, com muita pena, que depois de uma aprofundada reflexão que toda a direção da AIL compartilhou, acompanhada de uma avaliação muito atenta das condições de segurança, tomámos a decisão de adiar o nosso XIII Congresso programado para 20-24 de Julho 2020 em Roma.

Existem atualmente inúmeras incertezas que impedem que se possa prever o que irá acontecer nos próximos meses. Estamos numa situação idêntica à de muitas outras associações que tinham programado eventos científicos no verão europeu e que, como nós, estão neste momento a adiar.

Além do mais, a nossa preocupação não é apenas com o cenário italiano hodierno mas sim com cenário internacional e nomeadamente com a comunidade da AIL que se encontra no Brasil.

A reabilitação e a normalização serão provavelmente demoradas. Considerando os tempos necessários à reorganização de um projeto complexo como o nosso e as disponibilidades logísticas da Universidade anfitriã de Roma La Sapienza, podemos adiantar que o XIII Congresso ocorrerá em Roma de 26 a 30 de Julho de 2021. Um ano exatamente depois do previsto.

Lamentamos muito pelos possíveis inconvenientes que esta decisão causará, mas neste momento, em virtude de um critério de segurança coletiva, não temos alternativas.

Um terceiro prazo de submissões será reaberto de 01 de setembro 2020 até 28 de fevereiro de 2021. Os valores de inscrição serão os do segundo prazo.

A AIL garante que as/os colegas que já se inscreveram poderão optar por: 1. manter a comunicação aprovada e a inscrição para o Congresso em 2021; 2. retirá-la e obter o reembolso imediato da inscrição (nesta condição, caso se resolva participar em 2021, a proposta deverá ser reavaliada). O reembolso será efetuado pelo mesmo meio de pagamento utilizado (caso isso não seja possível, os custos adicionais serão suportados pelos participantes).

Mais informações para os congressistas acerca de reembolsos, prazos e valores serão disponíveis em breve.

A AIL continua no seu empenho para favorecer a mais ampla participação das/dos colegas no Congresso de Roma. Porque afinal, o mais importante - como nos ensinou Ernst Bloch, mesmo em tempos como esses – é a aprender a esperança.

A Direção da AIL

A Segunda Circular do 13.º Congresso da AIL foi recentemente tornada pública através do endereço https://roma2020ail.org

Esta segunda circular tem como objectivo orientar sobre os procedimentos do processo participativo e fornecer mais informações acerca da inscrição e apresentação de resumos.

Roma é alvo de elevada procura turística no verão, que reduz a disponibilidade e aumenta o custo das viagens e alojamentos. A organização, a través da Agência EGA de Roma, disponibiliza um site de reserva de alojamento e de ticket para as refeições na cantina da Universidade, com as condições mais favoráveis para os participantes. Marque com antecipação para garantir a sua estadia a preços razoáveis.

Veja aqui a 2.ª Circular do Congresso (PDF).

Anexos:
Fazer download deste ficheiro (Segunda Circular AIL Roma 2020.pdf)Segunda Circular AIL Roma 2020.pdf150 kB0 Downloads

A trágica morte de Sebastião Pinho, professor jubilado da Universidade de Coimbra, Secretário Geral e Tesoureiro da AIL de 1996 a 1999, deixa a memória da Associação marcada por uma grave e irreparável perda. Cultíssimo humanista que dedicou a vida aos estudos, até ao seu último dia, especializado em Estudos clássicos e estudioso do Humanismo português, Sebastião Tavares de Pinho foi durante a presidência da AIL de Hélder Macedo, um incansável dirigente, um dos inovadores da comunidade associativa dos lusitanistas numa fase em que esta estava a colher os frutos de uma maturidade e projeção internacional alcançadas no último triênio. Entre os cofundadores da revista da AIL, Veredas, de que foi diretor, o seu humanismo não era só um objeto profundo e infinito de investigação, uma plena idealização do mundo: era um modo concreto de assumir responsabilidades e fortalecer as instituições. É nisto, na ideia de um bem superior às próprias também legítimas aspirações, que se encontra o fio que conjuga coerentemente espírito humanista e espírito de serviço, em nome de uma harmonia e um ideal superiores. Uma biografia, a sua, ligada solidamente a Universidade de Coimbra, onde se formou e lecionou, onde foi vice reitor e, em particular, ligado ao âmago do Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos que dirigiu e de que foi longamente responsável pela linha de investigação. Vasta e de excelência é a sua obra científica dedicada tanto ao estudo dos clássicos latinos e gregos como a aspetos fundamentais do contexto humanista em Portugal. No dia trágico do acidente, acabava de regressar de Lisboa onde tinha participado numa homenagem dedicada ao seu mestre de humanismo, José Pina Martins. Participou do enterro de Sebastião Pinho, em Rocas do Vouga, representando também a AIL, Carlos Ascenso André, Professor da Universidade de Coimbra e Presidente do Conselho assessor da Associação. No elogio fúnebre que pronunciou para lembrar o valioso investigador e professor, o Prof. André ao lado das qualidades científicas e da sensibilidade institucional do colega, destacou em particular as suas qualidades pessoais “Sebastião Tavares de Pinho era um homem generoso, recto, íntegro, leal, honesto, de bom coração, amigo do seu amigo e contemporizador com os que o não eram, tolerante, afável; e era um homem de carácter; era, em suma, um homem bom, em toda a sua inteireza de ser humano. E, dizendo-se isso, tudo se diz”. A comunidade da AIL vai guardar a memória do seu dirigente histórico e presta homenagem ao grande estudioso, ao homem das instituições, ao Colega e ao Amigo. Repouse em paz.

Roberto Vecchi
Presidente da AIL

Já está disponível, em acesso aberto, no portal da Veredas — Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, uma nova edição:

Veredas n. 30

DOI: https://doi.org/10.24261/2183-816x30