A trágica morte de Sebastião Pinho, professor jubilado da Universidade de Coimbra, Secretário Geral e Tesoureiro da AIL de 1996 a 1999, deixa a memória da Associação marcada por uma grave e irreparável perda. Cultíssimo humanista que dedicou a vida aos estudos, até ao seu último dia, especializado em Estudos clássicos e estudioso do Humanismo português, Sebastião Tavares de Pinho foi durante a presidência da AIL de Hélder Macedo, um incansável dirigente, um dos inovadores da comunidade associativa dos lusitanistas numa fase em que esta estava a colher os frutos de uma maturidade e projeção internacional alcançadas no último triênio. Entre os cofundadores da revista da AIL, Veredas, de que foi diretor, o seu humanismo não era só um objeto profundo e infinito de investigação, uma plena idealização do mundo: era um modo concreto de assumir responsabilidades e fortalecer as instituições. É nisto, na ideia de um bem superior às próprias também legítimas aspirações, que se encontra o fio que conjuga coerentemente espírito humanista e espírito de serviço, em nome de uma harmonia e um ideal superiores. Uma biografia, a sua, ligada solidamente a Universidade de Coimbra, onde se formou e lecionou, onde foi vice reitor e, em particular, ligado ao âmago do Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos que dirigiu e de que foi longamente responsável pela linha de investigação. Vasta e de excelência é a sua obra científica dedicada tanto ao estudo dos clássicos latinos e gregos como a aspetos fundamentais do contexto humanista em Portugal. No dia trágico do acidente, acabava de regressar de Lisboa onde tinha participado numa homenagem dedicada ao seu mestre de humanismo, José Pina Martins. Participou do enterro de Sebastião Pinho, em Rocas do Vouga, representando também a AIL, Carlos Ascenso André, Professor da Universidade de Coimbra e Presidente do Conselho assessor da Associação. No elogio fúnebre que pronunciou para lembrar o valioso investigador e professor, o Prof. André ao lado das qualidades científicas e da sensibilidade institucional do colega, destacou em particular as suas qualidades pessoais “Sebastião Tavares de Pinho era um homem generoso, recto, íntegro, leal, honesto, de bom coração, amigo do seu amigo e contemporizador com os que o não eram, tolerante, afável; e era um homem de carácter; era, em suma, um homem bom, em toda a sua inteireza de ser humano. E, dizendo-se isso, tudo se diz”. A comunidade da AIL vai guardar a memória do seu dirigente histórico e presta homenagem ao grande estudioso, ao homem das instituições, ao Colega e ao Amigo. Repouse em paz.

Roberto Vecchi
Presidente da AIL