Já está disponível, em acesso aberto, no portal da Veredas — Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, uma nova edição:

Veredas n. 27 (2017): Cultura e poder no Brasil hoje - Derek Pardue e Sara Brandellero (Orgs.)

DOI: https://doi.org/10.24261/2183-816x27

In the late 1970s and early 80s, as the grip of the Brazilian military dictatorship loosened slightly and civil society transitioned into a more favorable position, artists were at the forefront of defining a new society. Musical artists Rita Lee and Roberto de Carvalho asked foreigners to rethink their homeland paradise in the first quote, taken from their 1982 recording. On the other hand, fellow musical artists Aldir Blanc and Maurício Tapajós saw the essence of the country as a “quarrel”, an existential conflict over the debt due to Brazil’s indigenous roots and insistent presence. Two contrasting perspectives expressed through music with one underlying commonality. Brazil is a product of the encounter, one enmeshed in complex and violent hierarchies. (Da "Introdução: revisitando a cultura e o poder no Brasil")

 

Noite Plataforma9

6 de setembro | 18h30 | Fundação Calouste Gulbenkian

A Noite Plataforma9 celebra os cinco anos do lançamento de um projeto pioneiro nascido da junção de esforços entre a Fundação Calouste Gulbenkian e a Associação Internacional de Lusitanistas, a rede digital Plataforma9, portal cultural de intercâmbio informativo entre as culturas de Língua Portuguesa. O evento propõe um programa tripartido, que inclui uma viagem musical, a apresentação de um vídeo sobre a Plataforma9 e uma viagem gastronómica pelo mundo lusófono.

No mundo globalizado da atualidade, em que se acentua a necessidade de uma partilha mais eficaz do conhecimento e de construção de pontes numa família linguística pluricontinental e multicultural como é a Língua Portuguesa, considerou-se ser prioritária a criação de um instrumento independente, que possibilitasse a articulação em rede entre instituições e programas nacionais e internacionais dedicados à Língua Portuguesa e à diversidade das culturas em português. Este objetivo estratégico, contemplado nos programas de ação da Associação Internacional de Lusitanistas e do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas, consubstanciou-se na criação, em 2013, da rede digital Plataforma9, que foi apresentada publicamente no Mindelo, Cabo Verde, em julho de 2014. O portal é hoje utilizado em cinco continentes e o número de utilizadores tem aumentado exponencialmente, ultrapassando os três milhões de visualizações.

A Plataforma9 divulga diariamente factos e eventos relevantes sobre formação e investigação, bolsas e emprego, congressos e publicações, notícias e tudo o que acontece no mundo lusófono relacionado com estudos avançados e projetos culturais. Com uma denominação que remete para os nove países e regiões que utilizam a Língua Portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Galiza, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste), a rede digital tem uma projeção global e contribui para o diálogo e o reforço dos laços entre as comunidades lusófonas disseminadas pelo mundo.

 

Já está disponível, em acesso aberto, no portal da Veredas — Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, uma nova edição.

Veredas n. 26: http://revistaveredas.org/index.php/ver/issue/view/28

Neste número:

 

Artigos

A batalha antológica: resgate, inclusão e (re)fundação da tradição literária nas contra-antologias femininas de fins do século XX
Paula Candido Zambelli

A mátria de Natália Correia: uma utopia libertária
Josyane Malta Nascimento

A morte em gerúndio: ciclicidade transcendente em Teolinda Gersão e Pepetela
Patrícia Infante da Câmara

A máquina do mundo de Paulo José Miranda: a vertigem tanatológica de seus mecanismos
Paulo César Thomaz

O fluxo da consciência em Elói, de João Gaspar Simões
Valda Suely da Silva Verri

Um romance sobre o tempo: Que cavalos são aqueles que fazem sombra no mar?, de António Lobo Antunes
Camila Stefanello, Raquel Trentin Oliveira

A tensão dialética entre o eu e o outro em Eu hei-de amar uma pedra, de António Lobo Antunes
Tatiana Prevedello

Trauma, memória e latência em Diário da queda, de Michel Laub
Rejane Cristina Rocha

A intimidade das pessoas idosas no documentário Olhos de Ressaca, de Petra Costa
Sophia Beal

Me segura qu’eu vou dar um troço, de Waly Salomão: a abertura da linguagem
Adriana Kogan

Resenhas

Margarida Calafate Ribeiro e Silvio Renato Jorge (Org.) — Literaturas insulares: leituras e escritas de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe
Maria da Graça Gomes de Pina

Martha Batalha — A vida invisível de Eurídice Gusmão
Paula Queiroz Dutra

Henrique Freitas — O arco e a arkhé: ensaios sobre literatura e cultura
Igor Ximenes Graciano